PACOTE DE VIAGEM TRILHA CORA CORALINA

16 DIAS / 15 NOITES

UAMTOUR LAB 3 - MARÇO 2021

ficha técnica

organização

Laboratório De Turismo Uamtour

M E DI TOMMASO VIAGENS E TURISMO - EPP, CNPJ 29.049.633/0001-76

Marcus Di Tommaso

apoio e informações

José Alves de Assis Filho - Turismólogo, Guia Regional Araraúna - Receptivo

Shirlene Álvares da Silva - Educadora
Pés no Cerrado - Receptivo

idealizador

Luiz Del Vigna - Diretor Executivo ABETA

produção de conteúdo e pesquisas

ALUNOS DO CURSO DE TURISMO

DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

5º semestre

Ana Carolina dos Santos Shouga Mendes

Ana Paula Brandão Vasconcellos

Angélica De Arruda Neri

Bruno Porto Silva

Isabella Rodrigues Vallim

João Felipe Furtado de Almeida

Julia Luz Melo Monteiro

Letícia Carolina Teixeira Jardim

Luiza Morgado Piccoli Garcia Duran

Maria Luísa Gutz Rossi Saraiva

Mariah Garcia de Oliveira

Mariana Suzue Matsubara

Marina Gomes da Conceição

Rebeca Da Cruz Silva Nunes

Sofia Iannelli Ferrari

Sophia Campos Prieto

Tiago Jerônimo Marcelino De Lima

6º semestre

Amanda da Silva Jorge

Gabriella Gomes Torres

Juliana Mendes de Jesus

Maria Victória Vieira Bispo

Marina Miwa Maruyama da Silva

0 CAMINHO DE CORA CORALINA

Com cerca de 300km, o Caminho de Cora Coralina já foi percorrido por bandeirantes e originado das trilhas criadas pelos índios Goyases e demais povos nativos das Américas. Após a realização de estudos e adaptações, a rota foi definida para cicloturistas e mochileiros, com paisagens deslumbrantes através do cerrado goiano.
O roteiro leva 16 dias de Corumbá de Goiás até Cidade de Goiás, o dia de chegada à Corumbá de Goiás será livre para descanso, assim como o último dia da trilha, na Cidade de Goiás. Ao longo dos dias, será possível passar pelas 8 cidades e 8 povoados presentes em todo o percurso e também aproveitar as paisagens presentes, a observação da flora e fauna, o acesso à cultura, e toda a experiência que o Caminho Cora Coralina tem a oferecer.

itinerário

1º dia Corumbá de Goiás

Chegada em Corumbá de Goiás, apresentação do guia de turismo e história da trilha. Hospedagem, restante do dia livre. Jantar.

2º dia Corumbá de Goiás – Salto de Corumbá / (14,5km/5h/moderada)            

Café da manhã, saída para a caminhada. Este trecho tem início na Praça da Matriz de Corumbá de Goiás, em frente à Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha de França, indo até o Salto de Corumbá. Percorre ruas tradicionais da cidade, mostrando os casarões coloniais, seguindo pela Cava, antiga trilha que faz parte do cenário das primeiras explorações de ouro ocorridas na região. Segue cruzando o bairro Dona Feliciana onde inicia o caminho até o Salto de Corumbá. Chegada em Salto de Corumbá, hospedagem com almoço incluído.

3º dia Salto de Corumbá – Pico dos Pireneus / (12,7km/5h/moderada)             

Café da manhã, em seguida saída para caminhada as margens do Salto de Corumbá. A entrada no Parque Estadual dos Pireneus se dá pelo município de Cocalzinho, próximo à Missão Vida na Fazenda do senhor Gilberto, a entrada deve ocorrer até às 16h. Cruza-se o Cerrado Rupestre até chegar ao Pico dos Pireneus, a 1385 metros de altitude. Do cume é possível avistar em 360 graus o Parque, as cidades de Cocalzinho, Corumbá de Goiás e Pirenópolis, e até onde a vista alcançar. A descida deve ser feita até às 17h. O carro de apoio estará esperando para transporte até o Sítio Lavrinhas. Pico dos Pirinues ou Cocalzinho de Goiás. Chegada no Pico dos Pireneus com hospedagem com direito a almoço.

4º dia Pico dos Pireneus – Pirenópolis (24,4km/8h/difícil) 

Café da manhã com saída para caminhada, depois visita à Reserva Vargem Grande, seguindo a trilha ao Parque Estadual da Serra dos Pireneus e à Reserva do Abade. O Caminho segue pela trilha das Pedreiras com chegada e hospedagem em Pirenópolis.

5º dia Pirenópolis – Caxambu / (30km/09h/difícil)

Café da manhã com saída para trilha. O percurso de Pirenópolis ao povoado de Caxambu cruza remanescentes de mata primária e transpõe as serras Paraíso e Caxambu. Percorre partes do antigo caminho dos escravos, na região denominada Retiro. No meio do percurso encontram-se o córrego Godinho e o Rio das Pedras, onde será servido um Kit Refeição e os caminhantes farão um descanso. Continuando pela Serra de Caxambu, em seguida uma trilha cavaleira até a fazenda do Senhor Quinzinho. Daí até o povoado de Caxambu são mais 4km. Chegada em Caxambu, com hospedagem.

6º dia Caxambu – Radiolândia / (17,5km/6h/moderada)           

Café da manhã na hospedagem com saída para trilha à histórica Fazenda Babilônia. O percurso de Caxambu a Radiolândia possui uma duração de 17,5 km. Chegada à Radiolândia com direito a hospedagem e café da manhã.

7º dia Radiolândia – São Francisco de Goiás / (27km/8h/dificil)  

Café da manhã na pousada com saída para São Francisco de Goiás. Do povoado de Radiolândia a São Francisco, são 27km passando por núcleos de produtores rurais. Após 15,5km haverá uma pausa e será servido um Kit Refeição. Dos pontos mais elevados do Caminho visualizam-se as Serras do Loredo e do Chibio. Continuar a trilha até chegar à cidade de São Francisco. Hospedagem.

8º dia São Francisco de Goiás – Jaraguá / (26km/12h/moderada)          

Café da manhã na pousada. Saída à Jaraguá, passando pelo rio Pari, após 15 km pausa para o Kit Refeição. Seguindo por mais 11 km chegaremos a Jaraguá. Hospedagem.

 9º dia Jaraguá – Parque Estadual Serra do Jaraguá  / (6,4km/4h/difícil)      

Café da manhã no Hotel. Saída da Igreja do Rosário e visita até o Parque Estadual Serra de Jaraguá levando 6,4 km para chegar até o local, após isso, retorno ao hotel.

10º dia Jaraguá – Palestina / (29km/8h/dificil)               

Café da manhã em hospedagem. É uma região de agricultura e pecuária, destacando-se grandes áreas de cultivo de bananeiras. A saída é feita da Igreja Nossa Senhora do Rosário, em Jaraguá. A partir daí, segue-se margeando o Parque Estadual da Serra de Jaraguá, até o ponto mais baixo do trajeto. Passando por São Francisco de Goiás,e pelo povoado de Vila Aparecida. São 8,5 quilômetros. Chegada em Palestina com hospedagem.

11º dia Palestina – Itaguari / (18km/06h/dificil)             

Café da manhã, com saída para trilha. Este trecho se caracteriza por um relevo pouco acidentado, variando sua altitude entre 644 e 820 metros. Região de agricultura e pecuária, destacando-se grandes áreas de cultivo de bananeiras. Cruza, novamente, a BR 070 na altura do povoado de Alvelândia. Chegada em Itaguari com hospedagem no Auto Posto Hotel e Restaurante Itaguari.

12º dia Itaguari – São Benedito / (27km/8h/Fácil)         

Café da manhã e saída para São Benedito, com uma pausa para Kit Refeição durante o percurso. Chegando lá, visita à rua principal que é ornamentada por casas comerciais que expõem embalagens do produto local, a fécula de mandioca. Almoço no Restaurante Avenida e hospedagem em Casa da Lindalva

13º dia São Benedito – Calcilândia / (22,7km/ 8h/dificil)           

Café da manhã e saída para Calcilândia. Relevo pouco acidentado, variando entre 650 e 800 metros. A região era, no passado, inteiramente coberta por espécies predominantemente arbóreas do Cerrado sentido restrito, que cobria em torno de 70% do total da vegetação, com altura média variando entre 8 e 15 metros. Hoje a paisagem está totalmente modificada, restando apenas alguns vestígios da mata original. É um importante centro de produção e comercialização de polvilho, também chamado de fécula de mandioca, excelente para o preparo da tapioca. A rua principal é ornamentada por diversas casas comerciais que expõem embalagens do produto. Chegada em Calcilândia com hospedagem e almoço.

14º dia Calcilândia – Ferreiro / (30km/8h/dificil)              

Café da manhã com saída à trilha, os primeiros 13km passará por fazendas e lindas paisagens como a vista da Serra Dourada, as ruínas de Ouro Fino e Rio Vermelho. Com mais 10km chega-se ao antigo povoado de Ferreiro, tendo como atrativo a Igreja de São João Batista. Segue-se mais 7km até chegar em uma boa pousada.

 15º dia Ferreiro – Goiás / (7,5 km/2h/fácil)      

Café da manhã, saída para Goiás. Saindo do antigo povoado do Ferreiro, passando pelo Rio Vermelho, pela Estrada Real que fica no Parque Municipal da Estrada Imperial. Chegando ao Largo da Carioca, segue-se pelas antigas ruas e chega-se ao ponto final, casa de Cora Coralina. Chegada à Cidade de Goiás com hospedagem.

16º dia Goiás   

Café da manhã em Pousada do Sol e fim dos nossos serviços.

valor por pessoa, sujeito a alteração sem aviso prévio, inclui:

  • 15 noites de hospedagem com café da manhã;
  • traslado de Brasília ou Goiânia até Corumbá de Goiás ou Cidade de Goiás, ida e volta;
  • 15 almoços, sendo 5 kit-lanche, e 15 jantares;
  • carro de apoio durante todo percurso;
  • passaporte do caminho Cora Coralina (R$35);
  • Seguro Viagem Cora Coralina – Plano Brasil Aventura via Porto Seguro;
  • Wikiloc para uso durante todo percurso;
  • impostos e gorjetas.

não inclui:

  • bebidas nas refeições;

  • passagens aéreas;

  • ingressos para atividades em Salto Corumbá Waterfalls;

  • ingressos para voo livre no Parque Estadual Serra do Jaraguá;

  • ingressos para a Tirolesa Voo dos Pireneus;

  • ingressos para atividades em Cachoeira do Abade;

  • ingressos para visitar os museus.

onde comprar

  • Tipo: Trilha Regional
  • Início: Corumbá de Goiás – GO
  • Final: Cidade de Goiás – GO
  • Ponto culminante: Pirenópolis
  • Modal: Caminhada, Bike
  • Bioma: Cerrado
  • Estruturação da trilha: dividido em 13 etapas
  • Duração da atividade: 11 a 17 dias
  • Nível de dificuldade: moderado, considerando as serras do caminho
  • Altitude máxima: 1.372 m
  • Desnível máximo: 1.343 m
  • Distância percorrida: 301 km

De Brasília:

até Corumbá de Goiás: 131km | 1h50min

até Cidade de Goiás: 318km | 4h30min

De Goiânia:

até Corumbá de Goiás: 106km | 1h36min

até Cidade de Goiás: 149km | 2h15min

  • Ao longo do caminho você encontrará trechos irregulares e escorregadios, que irão desafiar sua habilidade física. Para os momentos de cansaço, é interessante ter em mãos um cajado para ajudar no equilíbrio;
  • Seja seletivo e carregue todos os seus pertences em uma mochila pequena, pois durante a caminhada é mais seguro ter as mãos livres para evitar quedas;
  • A roupa utilizada deve ser confortável e leve: calças bermudas e/ou de lycra ajudam na secagem rápida e conforto, e camisetas de mangas longas com proteção UV protegem contra os inevitáveis arranhões, picadas de insetos e ainda contra o sol;
  • É sempre bom levar um agasalho, principalmente no inverno, pois em caso de imprevistos, pode ser necessário completar o trecho à noite;
    É indispensável o uso de boné, chapéu, e protetor solar, além de um bom repelente, principalmente para os alérgicos a picadas de insetos;
  • E sempre embale suas roupas em sacos plásticos ou estanque para evitar molhar toda a sua roupa e comida na mochila;
  • É aconselhável passar Vaselina nos pés antes de colocar a meia, para evitar possíveis bolhas.
  • Celular;
  • Canivete suíço;
  • Mapa da região;Bússola;
  • GPS;
  • Apito;
  • Papel higiênico;
  • Saco plástico para lixo;
  • Estojo primeiros socorros com medicamentos básicos (Um kit de primeiros socorros é muito útil em caso de emergência. Faça dele seu companheiro de caminhada);
  • Lanternas (de cabeça são as mais indicadas. É aconselhável levar pilhas de reserva, de preferência alcalina);
  • Bateria externa para os itens recarregáveis.

AS CIDADES E SUAS ATRAÇÕES

CORUMBÁ DE GOIÁS

sobre a cidade

Corumbá de Goiás é uma cidade que possui traços coloniais com seus casarões construídos por bandeirantes que buscavam Ouro e também repleta de uma beleza natural que são seus maiores atrativos turísticos, como cachoeiras.

atrações

Orla do Rio Corumbá: A Orla margeia o rio Paraguai, fazendo um ligamento entre Corumbá e Ladário. Em ambos lugares, a orla é composta por portos, estaleiros, bancos de pesca, áreas militares, pousadas e hotéis, além de ser ocupada por uma comunidade quilombola e por comunidades ribeirinhas.

Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha: O conjunto arquitetônico constituído e dos bens edificados que a envolvem foi tombado pelo IPHAN, em 2000. A formação do povoado de Corumbá de Goiás remonta à mineração do ouro no Estado de Goiás, durante o século XVIII, após a Guerra dos Emboabas na região das Minas Gerais e a expulsão dos paulistas da área. Por volta de 1725, iniciaram-se as expedições rumo ao interior em busca de novas áreas de mineração. A igreja se tornou marco do centro da cidade.

Centro Histórico Corumbá de Goiás: A povoação de Corumbá de Goiás surgiu em 1731, como pólo de mineração no rio Corumbá e ribeirão Bagagem. O povoado cresceu entre o rio e a capela, com habitantes de origem paulista e portuguesa vindos com as bandeiras, em busca de pedras preciosas, que construíram suas moradias às margens do rio. Em 1734, com a inauguração da capela de Nossa Senhora da Penha de França, a povoação tornou-se o centro de toda a região do rio Corumbá. Com construções da época colonial, o Centro Histórico foi tombado pelo IPHAN e é hoje atrativo turístico da cidade.

Memorial dos Imortais: Idealizado pela Senhora Maria do Carmo, presidente da Associação de Cultura e Defesa do Patrimônio Histórico de Corumbá de Goiás (ACDPH), o Memorial vai além do resgate e preservação das obras e livros. Entre outros objetivos o Memorial, pretende analisar, refletir, digitalizar e difundir esse patrimônio cultural literário, apresentando para a sociedade os grandes escritores que fizeram história e deixaram boas lembranças na cidade. O acervo literário e acadêmico, dos escritores, é um presente à sociedade corumbaense e uma contribuição para o desenvolvimento cultural e educacional, que tem como exemplo o Bernardo Elis, que foi o primeiro escritor de Goiás a ingressar na Academia Brasileira de Letras.

Mirante do Cristo: Confeccionado pela artesã Izulina Xavier, o Cristo Rei do Pantanal está situado no topo do Morro do Cruzeiro, na parte alta da cidade. De lá é possível contemplar uma diversidade de paisagens, tanto a urbana quanto as características do relevo e da vegetação típicos da região. Uma das vistas mais bonitas do local é o impressionante pôr do sol pantaneiro. O trajeto para chegar ao Cristo Rei também é um atrativo à parte. Ao longo do caminho, esculturas de Izulina Xavier representam as 14 estações da Paixão de Cristo.

onde dormir

Hotel Fazenda Serra da Irara – diárias a partir de R$90,00
Pousada Tião Da Morena – diárias a partir de R$98,00
Salto Corumba Camping Club Hotel – diárias a partir de R$35,00

onde comer

Restaurante Prato Brasil – Rua Roberto Muller, 922
Sugestão de prato: Carne de Sol
Bistrô Crepe Sabor – Praça Major João Mendes, 232
Sugestão de prato: Crepe doce de morango com nutella

Panificadora Avenida – Av. Roberto Muler, 686 – Centro
Sugestão de prato: Hambúrguer da casa

COCALZINHO DE GOIÁS

sobre a cidade

A origem da cidade de Cocalzinho de Goiás se da por volta de 1960 com o surgimento da Fábrica de cimento do grupo Votorantim em terras cedidas pela família Curado Fleury.
É dono de uma fauna e flora riquíssimas onde predomina o cerrado, é divisor de águas para duas importantes bacias hidrográficas continentais: Bacia do Paranaíba e Bacia do Tocantins.

atrações

Caverna dos Ecos: É um dos pontos mais conhecidos e mais bonitos de Cocalzinho de Goiás. Ela abriga o maior lago subterrâneo da América Latina! Com águas cristalinas e de tonalidade azul. Já a gruta é considerada a maior caverna do mundo formada por micaxisto. O espaço é lindo, mas precisa de um acompanhamento profissional e equipamentos de segurança, embora o nível de dificuldade de acesso seja baixo.
Tirolesa Voo dos Pireneus: Um atrativo que ficou famoso na região. Com 567 metros de extensão, durante a descida ela proporciona uma vista panorâmica para o Morro dos Pireneus. Da para praticar rapel de cachoeira, escalada esportiva, trilhas para mountain bike e trekking em meio a áreas de proteção ambiental. Há ainda programas com passeios off-road, kayak e boia-cross.
Cachoeira do Girassol: é um complexo turístico localizado no distrito de Girassol. Além da queda d’agua, ela abriga piscinas naturais, trilhas ecológicas e oferece atividades como tirolesa, aluguel de bike, passeios a cavalo, etc.

onde dormir

Hotel Recanto das Pedras São Leopoldo– diárias a partir de R$ 250,00
Hotel Chalés Bela Vista diárias a partir de R$ 148,00

onde comer

Restaurante Do Cerrado – Rodovia BR 414 Km 70 Centro, Sugestão de prato: Feijoada
Restaurante Panela de Barro – Avenida Cotorno Araguaia, 05, Cidade dos Pirineus

PIRENÓPOLIS

sobre a cidade

A história de Pirenópolis é uma das mais relevantes do Estado de Goiás. A cidade foi fundada como um pequeno arraial em 1727, quando Manoel Rodrigues Tomás, chefe de um grupo de garimpeiros submetidos ao bandeirante Anhanguera e guiado por Urbano do Couto Menezes, chegou à região com a missão de descobrir novas jazidas de ouro.

atrações

Reserva Vargem Grande:  Conserva uma extensa área de cerrado, campos, várzeas e matas, fica a apenas 11 km da cidade de Pirenópolis. Possui 2 belíssimas cachoeiras: Santa Maria e Lázaro. O acesso a Cachoeira Santa Maria tem 8 metros de queda e é rodeada por uma praia de areia branca, ótima para levar crianças e idosos, por ser de fácil acesso. Horário de funcionamento: Segunda a segunda, das 09:00 às 17:00; Local:  Estrada dos Pireneus, 14km do Centro Histórico; Contato: (62) 99652-6857; Valor por pessoa: R$45,00.

Cachoeira dos dragões: A 40 km de Pirenópolis, a Cachoeira está localizada num Mosteiro Budista, na região da Várzea do Lobo. Um lugar de extrema beleza e imensidão, com inúmeras piscinas naturais. O belo refúgio abriga 8 cachoeiras. O trajeto leva, em média, 4 horas de caminhada, percorrendo campos úmidos, veredas, cerrados e campos rupestres, uma mistura de mata ciliar e cerrado.

Cachoeira do Abade: Localizada a 16 km de distância do centro histórico, sendo 11 km em estrada de terra, a Cachoeira do Abade fica nas Lavras do Abade. O acesso é feito pela estrada que leva ao Parque Estadual da Serra dos Pireneus, contendo placas indicativas pelo caminho. É uma das mais belas cachoeiras de Pirenópolis! Ideal para a prática de rapel. No local, há opção para 2 trilhas: a Trilha da Cachoeira, com uma caminhada total de 400 m, toda calçada, que leva à principal cachoeira da reserva e também dá acesso ao cânion; e a Trilha do Vale, uma trilha mais longa, de 2,5 km, parte calçada e parte sobre pedras, onde se visita 4 cachoeiras e diversos mirantes.

Santuário VagaFogo: Localizado a 6,1 km do Centro Histórico, o Santuário de Vida Silvestre Vaga fogo é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural, criada para promover a educação ambiental, o ecoturismo e a produção sustentável de alimentos. Além da trilha, o Santuário oferece atividades para visitantes de todas as idades, como: arvorismo, rappel, tirolesa pêndulo, biblioteca, quiosque com redes para descanso e o Brunch, uma verdadeira experiência gastronômica com cerca de 45 itens produzidos na própria fazenda a partir de frutos do cerrado e produtos locais.

onde dormir

Pousada encanto dos pireneus– diárias a partir de R$ 79,00
Pousada Trilha do Sol– diárias a partir de R$ 130,00

onde comer

Maiale Empório e Restaurante – Rua do Rosário, 34 – Centro

Restaurante Bacalhau do Biba – Rua do Rosário, 42 – Centro

Calliandra Gastronomia Harmonizada – RUA JK, 13- Centro 

Forneria Pirineus – Rua dos Pirineus,41- Centro 

CAXAMBU

sobre a cidade

Caxambu fica a 27 quilômetros de Pirenópolis, possui ruas asfaltadas e sistema de captação de água. Caxambu é uma palavra de origem africana que designa uma espécie de tambor e uma dança. O nome do povoado se deve ao rio de mesmo nome que passa no local.

atrações

Mirante do Morro do Caxambu: Neste mirante, você terá uma vista admirável de toda a cidade. O local possui uma pequena loja de souvenir e um restaurante elogiadíssimo pelos turistas, além de um espaço seguro para as crianças brincarem. O acesso pode ser feito de carro, mas tomando os devidos cuidados, pois a estradinha é bem íngreme. Se quiser deixar a experiência ainda mais inesquecível, vá de teleférico, e aprecie toda a visão do entorno.

Teleférico de Caxambu: Se você é uma pessoa que gosta de emoção e natureza, precisa dar um passeio de teleférico. Além da vista de um lago incrível, você será levado direto ao Morro de Caxambu, outra atração imperdível nesse destino.

Parque das Águas: Principal atração da cidade, este parque conta com diversas atrações espalhadas em seus 210 metros quadrados. Um dos pontos principais são suas 12 fontes de águas terapêuticas, algumas delas construídas na época do Brasil Colonial. É o ambiente perfeito para quem procura por diversão em áreas livres.

Matriz Nossa Senhora dos Remédios: Localizada no centro de Caxambu, a Matriz Nossa Senhora dos Remédios é mais uma igreja de cair o queixo. Apesar de ser uma catedral antiga — foi erguida em 1906 — ela é bem conservada, e traz um ambiente de paz e tranquilidade. O estilo arquitetônico é o neogótico, com belíssimos vitrais e arcos. Vale a pena a visita.

onde dormir

Pousada Flores do Cerrado – diárias a partir de R$ 297,00
Hotel Pouso do Rio– diárias a partir de R$ 110,00

onde comer

Recanto das Massas – Avenida Prefeito Luís Gonzaga Jaime, 173, Alto do Bonfim
Restaurante Serra – Rua dos Pirineus, 19, Centro

Radiolândia

sobre a cidade

O povoado de Radiolândia, também conhecido por “Rabeia Bode”, localiza-se a 40 quilômetros de Pirenópolis, e fica a sete quilômetros da BR-153, com acesso por estrada asfaltada. Possui energia elétrica, escola, posto de saúde e serviço telefônico, campo de futebol, quadra de esporte e ruas asfaltadas. O abastecimento de água do local é feito por meio de poço artesiano, com fornecimento controlado pela Saneago.

atrações

Folia de Reis: Comemorada sempre no mês de janeiro
Festa de São Miguel Arcanjo: Comemorada sempre no mês de junho
Nossa Senhora do Bom Parto: Comemorada sempre no mês de junho, com desfile de carros de boi que é a grande atração

onde dormir

Pousada Miranda – diárias a partir de R$ 80,00
Pousada Jardim das Flores (@pousada.jardimdasflores) • Instagram … diárias a partir de R$ 100,00
Pousada Miranda

onde comer

Pousada Miranda

SÃO FRANCISCO

sobre a cidade

Cidade tranquila e pitoresca, São Francisco de Goiás é sede de manifestações culturais e religiosas que buscam promover o turismo local. Seu casario centenário, no Vale do São Patrício, chama a atenção. O município também atrai visitantes em busca de passeios ecológicos e contato com a natureza para suas cachoeiras.

atrações

Museu Histórico das Cavalhadas de São de São Francisco de Goiás: São exibidas peças relacionadas às cavalhadas como espadas, garruchas, moedas antigas, vestimentas dos reis mouro e cristão, ferramentas de trabalho, lanças, selas de montaria, além de peças de interesse histórico e arqueológico, como machado de pedra da pré – história encontrados na região. É um dos casarões mais antigos da cidade e encontra-se na Praça Jacinto Barbosa, nº446, Centro de São Francisco.

onde dormir

Hotel Cruzeiro de São José – diárias a partir de R$ 118
Pousada Estância Colher de Pau – diárias a partir de R$ 130

onde comer

Pousada Estância Colher de Pau

JARAGUÁ

sobre a cidade

O município de Jaraguá está localizado no Parque Ecológico da Serra de Jaraguá, Estado de Goiás. É conhecido por seu patrimônio cultural e por ser o maior polo de confecção do Centro-Oeste.

O principal produto turístico é o Turismo Cultural e Paisagístico; seguido por Turismo de Natureza. Não há um grande responsável pelo controle dos atrativos e serviços que formam o produto turístico cultural e paisagístico, mas quanto ao de Natureza, o Parque Ecológico da Serra de Jaraguá faz o cuidado dos atrativos que possui com infraestrutura e cuidado.

atrações

Igreja Nossa Senhora da Conceição: É uma edificação histórica, localizada na Praça da Matriz, esquina com antiga R. do Mercado – Centro – Jaraguá-GO. Foi tombada por sua importância cultural.

Igreja Nossa Senhora do Rosário: Construída por escravos em 1776, e ainda hoje totalmente conservada.

Parque Estadual Serra do Jaraguá: contém várias trilhas como: Trilha do Silêncio – Tem 828 metros de percurso (ida e volta) e duração de 30 minutos. Indicada para todas as idades, esta trilha é adaptada para visitantes com deficiência física ou mobilidade reduzida e leva esse nome por que sua densa vegetação abafa grande parte do barulho vindo das rodovias que cercam o Parque; Trilha do Lago – Tem 1 quilômetro de percurso (ida e volta) e duração de 20 minutos. Indicada para crianças de 8 à 11 anos e adultos, ela forma um circuito de paralelepípedos ao redor do lago; Trilha do Pai Zé – Tem 3600 metros de percurso (ida e volta) e duração de 2h30. Por seu alto grau de dificuldade é indicada para maiores de oito anos e durante o seu trajeto é possível observar a Mata Atlântica – é a única que leva até o pico, entre outras.

Clube das Cavalhadas: tradição regional e patrimônio cultural imaterial brasileiro. Cavalhada é uma celebração tradicional que teve origem nos torneios medievais, onde os aristocratas exibiam em espetáculos públicos a sua destreza e valentia, e frequentemente envolvia temas do período da Reconquista. Famoso na região pela história local envolvendo a guerra

Cachoeira do Saraiva: É um dos pontos mais bonitos do rio de mesmo nome.

Poção da serra: Com suas águas transparentes, faz valer a pena uma visita.

Rio das Almas: Nasce na Serras dos Pireneus, em Pirenópolis.

Rio dos Atos:  Corta a cidade de norte a sul.

Rio dos Peixes: Nasce na serra do Nêgo, em Pirenópolis, corre ao lado do Rio das Almas.

Rio Sucurí: Nasce em Itaberaí e deságua no extremo norte de Jaraguá

Serra do Jaraguá: Ideal para a realização de trilhas. O acesso só é possível a pé ou de moto. Existem no lugar duas cavernas e um túnel feito pelos escravos na época da mineração.

Casarão do Padre Silvestre: Está protegido por tombamento estadual, é uma das poucas construções de Jaraguá que conserva suas características originais. A casa faz parte da história de Jaraguá e do Estado. Fica localizado na Rua Vigário Álvares.

Casarão do Padre Silvestre: Está protegido por tombamento estadual, é uma das poucas construções de Jaraguá que conserva suas características originais. A casa faz parte da história de Jaraguá e do Estado. Fica localizado na Rua Vigário Álvares.

onde dormir

BOA VISTA PARK HOTEL – diárias a partir de R$ 169 Individual e duplo R$209

onde comer

Benedictus Hamburgueria – Galeria Passeio da Serra – Setor Aeroporto
Pizzaria do Deley – Galeria Passeio da Serra – Setor Aeroporto
Express Bar e Restaurante – Av. Moacir Rios – Jardim Ana Edith
Madeira Grill – Av. Coronel Tubertino Rios – Setor Aeroporto
Tribo da Fome – Av. JK, Qd 06, Lt13
Sorveteria Moranguinho – Av. Coronel Tubertino Rios – Centro
Frutos de Goiás – Av. JK – Centro
Churrasquinho do Carlinhos – Av. Coronel Tubertino Rios – Centro
César Grill – Praça Silvio De Castro Ribeiro
Cia do Caldo B3 – Av. Moacir Rios – Setor Aeroporto
Churrascaria Sabor Mineiro – Av. JK – Centro

ITAGUARI

sobre a cidade

Com a chegada dos bandeirantes a Goiás, houve uma busca incessante por regiões onde houvesse ouro e metais preciosos. Deste modo o território goiano foi sendo percorrido por aventureiros em busca de riquezas.
A região de Itaguari, por estar situada entre Jaraguá e Vila Boa, dois importantes locais de mineração de ouro e por estar, também, situada nas proximidades da trilha real (única estrada existente naquela época em Goiás) era constantemente percorrida por tropeiros e aventureiros.

atrações

Folia dos Reis: Considerada uma das maiores festas de folia do Brasil. Ocorre de 25 de dezembro a 6 de janeiro.
Folia dos Reis Mineira de Itaguari: Ocorre de 25 a 30 de dezembro e 6 de janeiro.

Folia Goiana do Brejo Grande: Giro começa 25 de dezembro e a festa no dia 6 de janeiro.
Folia de Reis Goiana de Itaguari:
Folia de Reis de Setembro de Itaguari-Giro: começa 23 de setembro e a festa dia 29 de setembro.
Cavalgada da Fé: Um grupo de cavalheiros que saem de Itaguari com destino à cidade goiana de Trindade, ocorre no mês de abril.
Festa do Zé: É realizada em março, no dia ou próximo ao dia de São José. Reúne várias pessoas com este nome.

onde dormir
onde comer

Restaurante MDR dentro do Auto Posto

SÃO BENEDITO

sobre a cidade

Com apenas 1000 habitantes e 250 casas, o povoado de São Benedito, localizado no distrito de Itaboraí tem sua economia baseada na produção de leite, e na industrialização da farinha e do polvilho.

atrações

Igreja Católica de São Benedito:
Festa em Louvor de São Benedito: Dez dias de festa na Igreja de São Benedito, termina no primeiro domingo do mês de junho.

onde dormir

Casa da Lindalva 

onde comer

Casa da Lindalva 

Calcilândia

sobre a cidade

O distrito de Calcilândia pertence à microrregião Rio Vermelho e à mesorregião Noroeste goiano. Em 1845, o então arraial de Ouro Fino foi elevado a distrito da cidade de Goiás.

As ruínas de Ouro Fino ficam a cerca de 18 quilômetros da cidade de Goiás. Um cruzeiro, no meio de um descampado, em direção à Pedreira de São Sebastião, marca o lugar onde ficava o Largo da Igreja Nossa Senhora do Pilar de Ouro Fino.

atrações
onde dormir

Pousada Estância Carvalho

onde comer

Pousada do chico – Avenida Valdomiro, 126 – Centro

FERREIRO

sobre a cidade

Ferreiro é um dos povoados que farão parte do Caminho. Da rodovia GO-164 já dá para ver o acesso para a região do antigo Arraial do Ferreiro, onde estão a Igreja de São João Batista, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1953, e algumas residências. Para se chegar ao extinto arraial, é preciso rodar aproximadamente seis quilômetros por uma estradinha de terra.

atrações

Visitar a Igreja de São João Batista, construída em 1761 em estilo barroco e restaurada recentemente; Visitar a Cruz de Chico Mineiro, personagem importante do estilo de moda de viola.

onde dormir

Pousada Caminho de Cora

onde comer

Pousada Caminho de Cora

CIDADE DE GOIÁS

sobre a cidade

A cidade de Goiás é conhecida carinhosamente pelo nome de Goiás Velho, a antiga capital do Estado foi fundada no Ciclo do Ouro e retrata o período colonial brasileiro de uma maneira muito particular, razão pela qual é Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. O traçado urbano é um exemplo do desenvolvimento de uma cidade mineira com as adaptações às condições do local, como os limites impostos pelo Vale do Serra Dourada e o Rio Vermelho.

atrações

Museu Casa de Cora Coralina: Após a morte da poetisa, amigos e parentes se reuniram e criaram a Associação Casa de Cora Coralina em 27 de setembro de 1985, entidade mantenedora do Museu Casa de Cora Coralina. Entidade de direito privado, sem fins lucrativos, regido por um Estatuto, que tem como finalidade: “projetar, executar, colaborar e incentivar atividades culturais, artísticas, educacionais, ambientais, visando, sobretudo, a valorização da identidade sociocultural do povo goiano, bem como preservar a memória e divulgar a vida e a obra de Cora Coralina. O Museu Casa de Cora Coralina foi inaugurado no dia 20 de agosto de 1989, data comemorativa dos 100 anos de nascimento da poetisa.

Igreja Nossa Senhora do Rosário: Foi a segunda construção religiosa da cidade.

Igreja de Santa Barbara: Construída em blocos de pedra-sabão e adobe, e situada dentro de um pátio murado, no centro histórico da cidade de Goiás Velho, a Igreja de Santa Bárbara começou a ser erguida em 1775 por Cristóvão José Ferreira e foi concluída cinco anos depois. Para chegar à entrada do monumento, tombado em 1950, é necessário subir uma escadaria de cimento de mais de cinquenta degraus. De cima é possível contemplar uma linda vista da cidade, com a Serra Dourada ao fundo. De arquitetura simples, destaca-se em seu interior a imagem da padroeira da igreja, do escultor Veiga Valle.

Igreja Matriz de Sant’Ana: A Igreja Matriz de Santana, na Cidade de Goiás, foi erguida de maneira rudimentar, com muitos momentos de reforma. No século XVIII, seu teto veio abaixo e a população local assumiu as obras de recuperação. O projeto inicial foi alterado diversas vezes, até que em 1998 foi restaurada pela Diocese da cidade, com parceria do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Quartel do XX: O Quartel do XX formou‐se da adaptação de residências no Largo do Chafariz para uso militar. Segundo Coelho, o quartel iniciou suas atividades nesse local em 1747. O edifício foi alvo de modernizações na fachada na passagem do século XIX ao XX, ocasião em que adquiriu platibandas e sofreu modificações nas esquadrias do corpo central. No início da década de 1980, o IPHAN reformou o edifício, que retomou as características militares coloniais.

onde dormir

Pousada do Sol – diárias a partir de R$235
Pousada do Ipê – diárias a partir de R$235

onde comer

Tapioca do Cerrado – Dentro do Mercado Municipal; Praça Vinicius Fleury.
Restaurante Flor de Ipê – R. Dom Bosco, 32
Café Jasmin – R. Luis do Couto, 1