A principal atração na região da Serra da Canastra é o Parque Nacional com o mesmo nome. 
Lá o visitante encontra cachoeiras para se refrescar,   a majestosa Nascente do rio São Francisco, além de trilhas e gruta de água cristalina, descubra! 

 

Nascente do Rio São Francisco 

O Rio São Francisco é um dos principais do Brasil, atravessando cinco Estados com condições naturais muito diversas, além de fornecer energia pelas cinco usinas hidrelétricas. A sua nascente histórica fica dentro do Parque Nacional Serra da Canastra, a 1.200 m de altitude, visita indispensável para quem está na região. 

Localizada a 6 km da Portaria 1 do Parque Nacional, após uma subida que recomenda-se fazer com veículo 4×4, chega-se a uma placa indicativa na estrada. Dali, há uma trilha curtinha demarcada que leva até uma pedra indicando o lugar de nascimento do Velho Chico, águas que ainda terão quase 3 mil km até o mar. No local há dois riachos que passam no meio da mata com um solo encharcado, assim não há como precisar o local exato da nascente.

A mesma trilha de pedras até a nascente leva a uma estátua em homenagem a São Francisco, onde no granito está descrita sua oração, que, aliás, faz jus ao rio quando cita ‘que eu leve a esperança’. Este é o rio da integração nacional, que desde sua nascente leva muita esperança aos que moram nas suas proximidades.

Placa Nascente
Nascente do Rio Sõa Francisco

Cachoeira Casca Dánta 

A Cachoeira Casca D’Anta é a primeira queda do Rio São Francisco, com 186 m. Pela sua beleza e imponência, destacada no paredão de pedras, é a principal atração da região e pode ser vista de baixo ou pela parte de cima, ambos cenários dignos de cartão-postal.

Há duas maneiras de chegar a Cachoeira. A parte alta é acessada 20 km depois da Portaria 1 do Parque Nacional. A estrada de chão está em estado bem precário, por isso é aconselhável ir de veículos tracionados. Um cânion é formado pelo rio São Francisco para descer a serra, com uma sequência de cascatas e piscinas naturais, algumas acessíveis para banho. Um mirante com desnível  superior a 300 m apresenta a bela vista panorâmica da região, onde é possível ver parte da queda principal da Casca D’Anta e o imenso poço formado abaixo.

Outro ângulo para admirar a Cachoeira é pela parte baixa. Saindo de Vargem Bonita, são mais 22 km de boa estrada de chão até a Portaria 4 do Parque. No local há um receptivo com estacionamento. Após a entrada, é necessário caminhar cerca de 15 minutos por meio da mata ciliar até um mirante. Para maior aproximação, cuidar com as pedras escorregadias pela constante umidade da cachoeira. Após contemplar a queda, é convidativo um banho refrescante nas suas águas cristalinas.

Há também a possibilidade de se aventurar pelas trilhas. São 3 km que duram em média 4 horas para ir e voltar. Ideal iniciar a visita logo cedo, para aproveitar mais a deslumbrante paisagem e ter tempo para relaxar na piscina natural. 

 

Cachoeira Casca D´anta
Cachoeira Casca D´anta

Reserva Natural Cachoeira do Cerradão 

A Cachoeira do Cerradão é uma das mais altas da Serra da Canastra, com 3 lances totalizando 202 m de queda. A propriedade privada onde ela se localiza tem 60 hectares e foi transformada em Reserva Particular do Patrimônio Natural pelo IBAMA em agosto de 2001, segunda atração mais visitada da região. 

A Portaria da Reserva fica a 6 km de São Roque de Minas por estrada de chão bem conservada. No local há recepção e sanitários. A trilha que leva a piscina formada pela primeira queda é leve e interpretativa, ou seja, placas identificam ao longo da trilha as principais espécies da flora regional. A caminhada dura cerca de 15 min até o primeiro local de banho. Se quiser ir adiante, só seguir a placa da ‘ducha’ para chegar a uma hidro natural.

A administração é responsabilidade da empresa Tamanduá Ecoturismo, a visita é controlada e tem limitação de 60 visitantes por período. Antes de ir a Reserva é necessário realizar o pagamento da entrada na Tamanduá Ecoturismo, que fica no centro de São Roque de Minas.

Além da caminhada na trilha até a Cachoeira, a empresa oferece rapel e tirolesa, que deve ser contratado com antecedência.



Cachoeira do Cerradão
Cachoeira do Cerradão

Cachoeira do Jota ou Cachoeira da Gurita  

Para quem viaja em família e tem crianças, a Cachoeira do Jota, também chamada de Cachoeira da Gurita, é um dos locais mais indicados na Serra da Canastra, pois as águas são rasas e calmas, diversão garantida para a garotada.

Localizada em uma área particular, a 49 km de São Roque de Minas por estrada de chão em boas condições, fica pertinho do povoado de São João Batista. De fácil acesso, pode-se chegar e estacionar o carro a alguns metros da cachoeira.

A piscina natural formada na parte de baixo é rasa, com bancos de areia, permitindo o banho dos pequenos, e ideal para quem quer tomar sol. Assim, é possível ficar embaixo da queda para uma refrescante ducha.

Já o poço formado acima da cachoeira é mais fundo, acessado pela trilha do lado direito. 

O horário de entrada é das 08 h às 17 h, e o passeio só poderá ser realizado mediante pagamento de taxa. 

 Não é necessário a contratação de guia. 

 

Cachoeira do Jota

  Cachoeira dos Leite e Cachoeira do Vento 

Cenário incrível e imperdível para trilhas e banhos nas piscinas naturais é o ‘complexo’ de cascatas que formam a Cachoeira dos Leite e a do Vento. Pela formação e altura aparente, se compara com a Casca D’Anta, postal principal da Canastra.

A Cachoeira do Antônio Ricardo, antigo e conhecido fazendeiro da região, é na verdade outra bela sequência de quedas, compondo um cânion de rochas, muito parecido com o da Casca D’Anta. É conhecida também como Cachoeira dos Leite, pois é o sobrenome da família proprietária da área.

Fica a 22 km de São Roque de Minas via estrada para a cachoeira do Cerradão. Ignorando as bifurcações, seguindo sempre pela principal, chega-se a um local chamado ‘Os Leites’, onde há duas igrejas e uma pequena casa. Deste ponto, segue-se sempre à esquerda, pois não há sinalização, e logo se avista a cachoeira no meio do paredão. Mais adiante está a propriedade, precisando atravessar o riacho para acessar as trilhas.

Sete trilhas levam para diferentes destinos. A Cachoeira do Antônio Ricardo, a principal da área, tem uma caminhada pesada, de quase 2 h, que é recomendado ser feita com guia. As outras quedas menores têm trilhas mais leves e piscinas boas para banho.

Cachoeira vizinha à dos Leite, com acesso pela mesma trilha, a Cachoeira do Vento tem 150 m de altura e pouco volume de água. Por este motivo, com o vento, ela muda de formato o tempo todo. É possível conhecer todas as quedas no mesmo dia, mas a caminhada será puxada, com cerca de 5 h (ida e volta) e é preciso guia. A entrada no atrativo só é feita mediante pagamento de taxa, e a visitação é diária das 08 às 17 h.

Cachoeira dos Leite
Cachoeira do Vento

Cachoeira do Capão Forro e Cachoeira da Mata 

A Cachoeira do Capão Forro é uma das mais procuradas na Canastra, devido a sua proximidade de São Roque de Minas (apenas 4,5 km) e facilidade de acesso (via estrada à portaria 1 do Parque Nacional, que está em boas condições e com sinalização adequada), ideal para quem tem pouco tempo disponível na região.

Na verdade, a Fazenda Capão Forro é uma área privada e conta com 3 belas cachoeiras e diversos poços para banho. O nome Capão Forro é devido à época dos quilombos e significa ‘mata do liberto’. Após a porteira de entrada, onde é cobrado uma taxa de entrada por pessoa, há uma trilha leve, seguindo pela vegetação mais fechada, onde é possível acessar a Cachoeira da Mata, que tem uma queda de 18 m, pouco íngreme e com muitas pedras.

A casa da propriedade fica a 300 m da Cachoeira Capão Forro I, onde já é possível tomar uma ducha. Atravessando as pedras chega-se à Cachoeira Capão Forro II, onde é possível a prática do rapel oferecido pelas agências locais. Acompanhando o leito do riacho, chega-se a Cachoeira Capão Forro III, onde o descanso é merecido.

Da Fazenda Capão Forro é possível acessar também a Trilha da Picareta, que leva ao camping do mesmo nome em uma propriedade vizinha, a Fazenda do Chico Chagas. O Poço da Picareta também fica nesta segunda área privada e tem um custo  para entrar. Passa-se pelo Poço do Pulo, que, como o nome já diz, é um poço de águas profundas para onde é possível pular do paredão de mais de 5 m.

A entrada para ambos locais é diária das 08 às 17h (18h no horário de verão).

Cachoeira do Capão Forro
Cachoeira da Mata

Cachoeira da Parida e Cachoeira do Macaco 

Água cristalina é característica comum das cachoeiras da Serra da Canastra. Mas, a Cachoeira da Parida e o Poço do Macaco tem uma visibilidade incrível, ponto obrigatório para um mergulho.

Diz a lenda, que certo dia uma expedição atravessava a Canastra pela parte de cima do chapadão e junto à tropa tinha uma escrava grávida, que iniciou o trabalho de parto. O comandante pediu uma parada à beira de um riacho para a moça ter o bebê e, desde então, este riacho e a cachoeira por ele formada foram nomeados de Córrego da Parida e Cachoeira da Parida.

Lenda ou não, a beleza da cachoeira é verdadeira. Localizada a 90 km de Sacramento, via estrada para o Parque Nacional, é também de difícil acesso, mas bem sinalizada. Fica na fazenda do ‘Seu’ Manoel Perez, que, diga-se de passagem, é muito hospitaleiro e atencioso. Ele quem vai indicar o caminho até a Cachoeira e as outras 2 quedas no meio de um cânion de pedras.

A Cachoeira tem suas águas cristalinas formando um poço verde esmeralda, convidativo a um mergulho, sendo que a visibilidade, apesar da profundidade (ponto maior de 6 m), é impressionante. Cerca de 200 m abaixo da Cachoeira da Parida, há outras duas quedas, sendo que a última forma o Poço do Macaco. O nome vem do formato de uma pedra do lado da queda.

Além das piscinas naturais, a fazenda também guarda um sítio arqueológico com pinturas rupestres, mas são mais 8 km de veículo 4×4 ou 3 h de caminhada. As agências não costumam realizar com regularidade este passeio, mas vale consultar! 

Cachoeira da Parida

Cachoeira do Fundão ou Cachoeira da Gameleira

Localizada nos “fundos” de uma propriedade particular, a Cachoeira do Fundão, também conhecida como da Gameleira, tem sua beleza particular, sendo considerada uma das mais belas da região pela comparação realizada com o mar.

Suas águas são de cor verde. E a cor não é a única similaridade com o mar: quando a queda  d´água de 90 m do rio Santo Antonio atinge a piscina natural, formam-se pequenas ondas, como as da beira de uma praia. O poço da cachoeira é rodeado de pedras, onde o banho de sol é garantido.

Mas, para pegar um bronze no local, há de se encarar uma estrada precária de 46 km (secundária saindo de São Roque de Minas em direção a Delfinópolis), onde só passam veículos de tração 4×4. E, dentro da propriedade, percorrer uma trilha de 25 minutos com muitas pedras para chegar à parte baixa da cachoeira.

A propriedade permite a entrada das 08 às 17h (18h no horário de verão) e, pela dificuldade de chegar ao lugar, não ficou estipulado limite de visitantes.

 

Cachoeira do Fundão

Fonte: https://www.guiaviagensbrasil.com/mg/o-que-fazer-na-serra-da-canastra/ 

onde comprar:

(nossa seleção de empresas de turismo especialistas nesse destino)

Canastra Adventure
Canastra Explorer