Para quem gosta de uma experiência diferente, viaja com um olhar curioso sobre o desconhecido e com o espírito preparado para viagens que vão além de fotos de cartões-postais. Segue os destinos mais incomuns para se aventurar no nosso país:

  • FAZER UM PASSEIO DE BARCO NAS DUNAS DE GALOS (Galos e Galinhos/RN)

Seja feito em canoas que invadem gamboas do mangue ou em barcos maiores para visitar a região das Salinas e das Dunas do Capim, o passeio de barco em Galos é a melhor opção para explorar a região. Devido aos altos níveis de salinidade e mar agitado, as praias locais nem sempre animam os forasteiros. Mas isso não importa quando lagoas azuladas de águas mornas se formam entre dunas, como a exibida Duna do Capim, atrativo que serve para banhos de água doce, durante os passeios de bugue.

Barco nas Dunas de Galos, RN
  • VISITAR O BRASIL DO TEMPO DAS CAVERNAS (Terra Ronca/GO)

Localizado no extremo nordeste de Goiás, Terra Ronca é cenário de uma das experiências de aventura mais fascinantes, em território goiano. Essa região de mais de 600 milhões de anos, uma das maiores concentrações de cavernas da América Latina, abriga quase 300 diferentes formações, no Parque Estadual de Terra Ronca (PETeR).

Cavernas do complexo de Terra Ronca, GO
  • VISITAR ENDEREÇOS MAL-ASSOMBRADOS DE SÃO PAULO (São Paulo/SP)

Teclas de pianos que tocam sozinhas, espíritos que ainda rondam o local onde escravos foram enforcados, vultos que cruzam o caminho dos visitantes e sedentas vítimas de um incêndio que pedem ajuda até hoje. Para os curiosos (e corajosos), certos endereços paulistanos acabam se transformando em pontos turísticos com aula de história com uma certa dose de sangue frio.

Edifício Martinelli, SP
  • DORMIR EM UMA NAVE ESPACIAL (Chapada dos Veadeiros)

Localizado em uma rua tranquila de Alto Paraíso, principal porta de entrada para a Chapada dos Veadeiros, o hotel Espaço Naves LuaZen abriga construções arredondadas feitas com ferro e cimento que imitam espaçonaves. O empreendimento, que não passa despercebido por quem passa do lado de fora, tem quartos batizados com nomes sugestivos como Nave Mãe, Discovery, Galáctica e Enterprise.

Hotel Espaço Naves Lunazen, em Alto Paraíso
  • DORMIR EM UMA BARRICA DE VINHO (Serra Gaúcha)

Localizado em Canela, na Serra Gaúcha, o hotel Pampas recebe seus hóspedes em quartos que ficam no interior de antigas barricas de vinhos usadas em vinícolas da Serra Gaúcha. Com capacidade de até 110 mil litros, cada pipa foi transformada em quartos com três andares, onde móveis, pisos e paredes foram feitos com madeiras retiradas de barricas de araucária, grápia e carvalho.

Hotel Pampas, em Canela
  • COMER CHOCOLATE E TOMAR CERVEJA AMAZÔNICOS (Belém/PA)

Combu é uma das 39 ilhas de Belém e ganhou fama com seus chocolates artesanais, feitos com cacau plantado no quintal de casas erguidas sobre palafitas. Até chefs brasileiros como Alex Atala e Thiago Castanho já se renderam ao produto. Do outro lado do rio Guamá, amantes de cerveja contam com uma cervejaria, na Estação das Docas, com bebidas em versões como Stout, Lager, Pilsen, Weissbier, Red Ale e Porter. Até aí, nenhuma novidade. O inusitado são os ingredientes amazônicos usados nas cervejas,  como açaí, bacuri, taperebá (conhecida também como cajá), priprioca e até cupulate, como é conhecido o chocolate amazônico feito com a semente do cupuaçu.

Bar da Amazon Beer, em Belém
  • VISITAR CACHOEIRAS NA FLORESTA AMAZÔNICA (Presidente Figueiredo/AM)

Localizado no Baixo Rio Negro, ao norte de Manaus, o município de Presidente Figueiredo tem mais de 100 quedas d’água catalogadas e é declarado a “Terra das Cachoeiras”. Tudo isso em plena floresta e entre grutas, cavernas e quedas de todos os tamanhos. Na época da cheia de rios, entre fevereiro e junho, dá até para fazer rafting, boia cross, caiaque, tirolesa e rapel.

Caverna Refúgio do Maroaga, AM
  • DESCER EM UM ABISMO (Bonito/MS)

Sem dúvida, o Abismo Anhumas é a versão mais radical de todo o destino, uma experiência que apenas 20 (corajosos) viajantes podem realizar, por dia. A 23 km do centro de Bonito, essa caverna com entrada vertical tem acesso obrigatório por um rapel negativo, quando não se coloca os pés em nenhum local de apoio, com 72 metros de profundidade até a plataforma flutuante sobre o lago dentro do abismo.

Rapel de acesso ao Abismo Anhumas
  • DESCER EM UM ABISMO (Bonito/MS)

Sem dúvida, o Abismo Anhumas é a versão mais radical de todo o destino, uma experiência que apenas 20 (corajosos) viajantes podem realizar, por dia. A 23 km do centro de Bonito, essa caverna com entrada vertical tem acesso obrigatório por um rapel negativo, quando não se coloca os pés em nenhum local de apoio, com 72 metros de profundidade até a plataforma flutuante sobre o lago dentro do abismo.

Fonte: Viagemempauta